Tentativa de censura na Bienal do Livro no Rio

Tentativa de censura ajuda a promover literatura LGBT na Bienal do Livro no Rio de Janeiro. Entenda o caso.

Adicionado em: 11/09/2019 Compartilhe no WhatsApp

A tentativa de censura do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, durante a Bienal do Livro saiu melhor que a encomenda. Afinal, ao investir contra a venda dos livros com temática LGBTQIAP+, ele conseguiu o oposto e direcionou os holofotes exatamente para essas obras literárias.

Em resposta à tentativa de recolher os livros dos quais o prefeito intitulou como “conteúdo impróprio”, as editoras destacaram ainda mais a presença dos  livros LGBTQIAP+ em suas prateleiras nos últimos dias da feira.

As editoras que investem na leitura LGBTQIAP+ também usaram as redes sociais para se posicionar contra a ação do governante e fizeram questão de chamar de “censura” o ato perpetrado pelo Poder Executivo do município.

A ação avessa, inclusive, deu início a campanha chamada “Leia com Orgulho”, iniciada pela  Companhia das Letras, a maior editora do Brasil, que se posicionou contra a ação de Crivella. E a comoção se estendeu e a hashtag #LeiaComOrgulho com indicações de livros se espalhou nas redes sociais.

E os manifestos contra a ação não pararam por aí. Diversas bandeiras com o símbolo do arco-íris foram erguidas em vários pontos, e próximo à arena #Semfiltro, que tinha como tema 'Literatura arco-íris', o público promoveu um beijaço contra a ordem de Crivella e em repúdio à censura.

Durante a coletiva de encerramento da Bienal do Livro, escritores divulgaram ainda um manifesto assinado, até domingo (8), por cerca de 70 autores, que defende a diversidade e a liberdade de expressão. “Se engana quem pensa que o alvo era a Bienal Internacional do Livro”, afirma o texto. “O alvo somos todos nós cidadãos brasileiros, pois não precisamos ter quem determine o que podemos ler, pensar, escrever, falar ou como devemos nos relacionar".

Em nota, o CEO e fundador da editora Companhia das Letras, Luiz Schwarcz, afirmou estar orgulhoso com a posição da organização da Bienal do Rio em defesa da liberdade de expressão e da diversidade. “Posturas como a do prefeito Marcelo Crivella e do governador João Doria - que recentemente mandou recolher uma apostila escolar que falava sobre diversidade sexual - tentam colocar a sociedade brasileira em tempos medievais, quando as pessoas não tinham a liberdade de expressar suas identidades. Eles desprezam valores fundamentais da sociedade e tentam impedir o acesso à informação séria, que habilita os jovens a entrar na fase adulta mais preparados para uma vida feliz."

Quer saber melhor o que aconteceu? Entenda o caso
O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), anunciou, em 05/09/2019, uma determinação para que os organizadores da Bienal do Livro recolhessem os gibis que mostrassem a capa do HQ “Vingadores: A Cruzada das Crianças”, na qual os adolescentes Wiccano e Hulkling aparecem como namorados.

De acordo com o prefeito, o quadrinho - que teve sua venda esgotada em 29 minutos e não foi encontrada pelos fiscais - oferecia “conteúdo sexual para menores”.

Para não parecer perseguição, a Prefeitura informou que a medida não se tratava de homofobia, mas sim de respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que recomenda que “publicações com cenas impróprias a crianças e adolescentes sejam comercializadas com lacre”.

No entanto, a determinação do estatuto só se aplica nos casos em que há imagens de nudez ou sexo explícito, o que não é o caso livro da Marvel, que traz somente a imagem de um beijo entre dois homens inteiramente vestidos dentro do livro, e não na capa como foi promovido.

#LeiaComOrgulho a seleção de livros LGBTQIAP+ que preparamos para você:

“Irmãos Cafuçus”, a HQ do Ponto Gay
Para quem gosta de uma literatura mais picante, os quadrinhos dos Irmãos Cafuçus é a indicação certa. As HQs pornô-gay trazem histórias cotidianas de quatro irmãos que adoram a boa vida, levar pica e comer bundinhas!

“As Gêmeas Marotas”, assinado por um pseudônimo Brick Bruna
Para quem gosta de sátiras, esse livro é uma paródia adulta dos livros do holandês Dick Bruna, criador da personagem infantil Miffy. A obra portuguesa é bem humorada e vale a leitura.

“Amor é amor’, Geektopia
Vencedora do prêmio Eisner 2017, na categoria Melhor Antologia, a obra “Amor é amor”é  uma coletânea de histórias em quadrinhos que mostra a história das vítimas e sobreviventes do trágico atentado de Orlando, ocorrido em junho de 2016.

Assinada pelo selo de histórias em quadrinhos da editora Novo Século, Geektopia, o livro traz mensagens de apoio, confraternização, luta, resistência e amor, e merece ser apreciada por todos os fãs da cultura geek e também por todos que fazem parte dessa luta diária, sendo LGBT ou não.

“Me chame pelo seu nome”, de André Aciman
O livro que virou filme traz a história de Elio, um adolescente que sem perceber se apaixona pelo escritor americano de vinte e quatro anos, espontâneo e atraente, que aproveita a temporada para trabalhar em seu manuscrito e para desfrutar do verão mediterrâneo.

“Ele”, de Sarina Bowen e Elle Kennedy
O livro conta a história de dois amigos e jogadores de hóquei que começam uma complicada e impulsiva paixão. E ao se questionarem se “uma noite de sexo pode estragar uma amizade?”, essa e outras questões sobre si mesmos vão sendo respondidas quando eles se veem como treinadores no mesmo acampamento de hóquei.

“Will & Will”. John Green e David Levithan
O livro conta a história de Will Grayson, garoto hétero, classe média, apaixonado por bandas indie e tentando ser popular, que acaba conhecendo Will Grayson, gay, suburbano, que namora pela internet e detesta Madonna. O livro é uma comédia romântica leve que faz críticas sarcásticas e indiretas à sociedade, tratando de tabus da forma mais natural possível e arrancando boas risadas enquanto os personagens se parecem incrivelmente familiares.

Tentativa de censura na Bienal do Livro no Rio

Página interna da HQ, “Vingadores - A Cruzada das Crianças”, alvo de ação que pediu recolhimento da obra da Bienal do Livro. (Foto: Internet)

0 COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
* O seu comentário passará por uma moderação antes de ser exibido no site.

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, sem autorizaçao escrita do 'Ponto Gay' ou do detentor do copyright. Os textos e as imagens (fotos, ví­deos, ilustrações, etc.) de todas as páginas do 'Ponto Gay' são protegidas pela LEI DO DIREITO AUTORAL, não sendo permitidas cópias ou divulgações por qualquer motivo ou justificativa, nem mesmo com autorização das(os) modelos. Infratores serão punidos na forma da lei.