Psicólogos podem sim ajudar homossexuais!

Não existe cura gay! Existe tratamento de conflitos interiores e orientação sexual! E todos têm direito a isso!

Adicionado em: 29/03/2018 Compartilhe no WhatsApp

A Justiça expediu liminar positiva determinando que psicólogos atendam homossexuais insatisfeitos com a conduta sexual ou que necessitem de apoio emocional frente a conflitos interiores ou familiares. Após isso, houve muita distorção de informações relacionadas a essa determinação judicial, especialmente por parte de militantes e apoiadores do movimento LGBT no Brasil. Muitos passaram a afirmar que tal decisão abre espaço para a chamada “cura gay”, aplicação de terapias de reversão ou que a homossexualidade poderá, de agora em diante, ser tratada como doença.

A verdade sobre os fatos é que a decisão não foi absolutamente contra a  declaração de que a homossexualidade não é uma doença, mas que busca respeitar a necessidade de homossexuais que procurem mudanças em sua orientação sexual, ou necessitem de apoio emocional para as suas escolhas e consequentes dramas familiares.

“Não existe cura gay, existe uma ciência que trata dos conflitos da alma e comportamento humano. Não posso escolher conflitos a serem tratados, tirados todos em igualdade, sem induzir qualquer convicção. Meu paciente é livre”, destaca a psicóloga Marisa Lobo, especializada em Direitos Humanos. “Não existe terapia de reversão, existem técnicas da psicologia que visam o encontro de si mesmo, visam restabelecer a sanidade procurada do paciente, é ele quem escolhe, não o psicólogo.”.

Marisa Lobo informa, ainda, que todas as técnicas usadas no atendimento a um homossexual egodistônico são aprovadas e não configuram “um novo tipo de tratamento”. “Nós usamos as técnicas aprovadas pela psicologia e não uma suposta terapia inexistente. E se estas linhas da psicologia são insuficientes para gerar bem-estar à pessoa humana que nos procura, então que fechem a psicologia. No meu consultório quem manda é meu paciente”, assegurou. Egodistônico quer dizer, por exemplo, a pessoa é homossexual, porém, discorda desse jeito dela própria ser.

“Eu ajudo no que o meu paciente desejar. Em meu consultório quem manda é o paciente não o Conselho de Psicologia. Porém jamais afirmo que tem como reorientar ou não. Apenas explico sobre a teoria da diversidade sexual, que afirma que a sexualidade é fluida, não dinâmica ou estática como definem as ciências biológicas. Baseado neste ensinamento da pós-modernidade, se a sexualidade é plural e fluida, entende-se que ela vai para onde quiser e volta para onde desejar”, acrescenta.

A psicóloga destaca que, cientificamente, não há nenhuma pesquisa que demonstre que um homossexual não possa mudar de orientação sexual, caso sinta este desejo ou esteja em dúvida quanto a isso.

“Não há um único estudo que afirma categoricamente sobre como se forma o desejo sexual e se é por este ou por aquele objeto. É isso que a contemporaneidade quer que defendamos. Logo, se meu paciente busca ajuda por não querer esta ou aquela orientação sexual, ele tem direito de tentar buscar a sua verdade e ninguém pode ir contra isso. Defender essa liberdade no setting terapêutico é ético. Não se pode induzir convicções de orientação sexual.”, completa.

A decisão, segundo o juiz federal Waldemar Cláudio de Carvalho, determina que o Conselho Federal de Psicologia não pode impedir que psicólogos pesquisem, se informem e até mesmo atendam pessoas que busquem uma reorientação sexual ou ajuda quanto à própria escolha e consequências na vida familiar, social e profissional, se o paciente assim desejar.

Em 1973, a Associação Americana de Psiquiatria retirou a homossexualidade da sua lista de transtornos. Em 1980, o Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM) seguiu também essa recomendação. Em 1990, a OMS, Organização Mundial de Saúde aboliu a homossexualidade da lista de doenças. A partir daí, a Classificação Internacional de Doenças (CID) fez pé firme, contra “qualquer tratamento psiquiátrico de ‘reparação’ ou ‘conversão'” de gays.

A polêmica instalou-se quando, em 2017, um grupo de psicólogos no Brasil recebeu permissão judicial para praticar “atendimentos profissionais, de forma reservada, pertinentes à (re) orientação sexual” (trecho da decisão do juiz Waldemar Cláudio de Carvalho). E a tal “cura gay”, foi duramente criticada, e bem mal interpretada.

Será que os intitulados defensores da “cura gay” acreditam que os psicólogos, se fossem autorizados, teriam a capacidade de mudar a orientação sexual de alguém? A resposta é lógica e veio pronta: mesmo querendo, os psicólogos não teriam como mudar a orientação sexual de ninguém. A orientação sexual, mistura de fatores biológicos, psicológicos e sociais, uma vez definida, não é passível de reversões.

Portanto, a liberação para o atendimento gay não é direcionada a reverter a escolha sexual que já foi definida e sim em orientação sexual: porque desejar alguém, seja ou não do sexo oposto, não é uma escolha do indivíduo. É uma intrincada determinação biopsicossocial que ocorre nos primeiros anos de vida.

A única coisa que, os profissionais da saúde mental, conseguem obter é que as pessoas consigam conviver melhor com seus próprios desejos, sejam eles quais forem, diminuindo, assim, o sofrimento dessa escolha, seja em caráter individual ou familiar.

Ninguém pode ser proibido de buscar ajuda profissional para questões emocionais, e nenhum profissional pode ser impedido de ajudar! E viva a liberdade de escolha!

Psicólogos podem sim ajudar homossexuais!

A consulta a um psicólogo não deve estar direcionada em reverter a escolha sexual e sim para dar uma orientação nesse sentido! (Foto: Internet)

0 COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
* O seu comentário passará por uma moderação antes de ser exibido no site.

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, sem autorizaçao escrita do 'Ponto Gay' ou do detentor do copyright. Os textos e as imagens (fotos, ví­deos, ilustrações, etc.) de todas as páginas do 'Ponto Gay' são protegidas pela LEI DO DIREITO AUTORAL, não sendo permitidas cópias ou divulgações por qualquer motivo ou justificativa, nem mesmo com autorização das(os) modelos. Infratores serão punidos na forma da lei.