Psicólogos podem sim ajudar homossexuais!

Não existe cura gay! Existe tratamento de conflitos interiores e orientação sexual! E todos têm direito a isso!

Adicionado em: 29/03/2018 Compartilhe no WhatsApp

A Justiça expediu liminar positiva determinando que psicólogos atendam homossexuais insatisfeitos com a conduta sexual ou que necessitem de apoio emocional frente a conflitos interiores ou familiares. Após isso, houve muita distorção de informações relacionadas a essa determinação judicial, especialmente por parte de militantes e apoiadores do movimento LGBT no Brasil. Muitos passaram a afirmar que tal decisão abre espaço para a chamada “cura gay”, aplicação de terapias de reversão ou que a homossexualidade poderá, de agora em diante, ser tratada como doença.

A verdade sobre os fatos é que a decisão não foi absolutamente contra a  declaração de que a homossexualidade não é uma doença, mas que busca respeitar a necessidade de homossexuais que procurem mudanças em sua orientação sexual, ou necessitem de apoio emocional para as suas escolhas e consequentes dramas familiares.

“Não existe cura gay, existe uma ciência que trata dos conflitos da alma e comportamento humano. Não posso escolher conflitos a serem tratados, tirados todos em igualdade, sem induzir qualquer convicção. Meu paciente é livre”, destaca a psicóloga Marisa Lobo, especializada em Direitos Humanos. “Não existe terapia de reversão, existem técnicas da psicologia que visam o encontro de si mesmo, visam restabelecer a sanidade procurada do paciente, é ele quem escolhe, não o psicólogo.”.

Marisa Lobo informa, ainda, que todas as técnicas usadas no atendimento a um homossexual egodistônico são aprovadas e não configuram “um novo tipo de tratamento”. “Nós usamos as técnicas aprovadas pela psicologia e não uma suposta terapia inexistente. E se estas linhas da psicologia são insuficientes para gerar bem-estar à pessoa humana que nos procura, então que fechem a psicologia. No meu consultório quem manda é meu paciente”, assegurou. Egodistônico quer dizer, por exemplo, a pessoa é homossexual, porém, discorda desse jeito dela própria ser.

“Eu ajudo no que o meu paciente desejar. Em meu consultório quem manda é o paciente não o Conselho de Psicologia. Porém jamais afirmo que tem como reorientar ou não. Apenas explico sobre a teoria da diversidade sexual, que afirma que a sexualidade é fluida, não dinâmica ou estática como definem as ciências biológicas. Baseado neste ensinamento da pós-modernidade, se a sexualidade é plural e fluida, entende-se que ela vai para onde quiser e volta para onde desejar”, acrescenta.

A psicóloga destaca que, cientificamente, não há nenhuma pesquisa que demonstre que um homossexual não possa mudar de orientação sexual, caso sinta este desejo ou esteja em dúvida quanto a isso.

“Não há um único estudo que afirma categoricamente sobre como se forma o desejo sexual e se é por este ou por aquele objeto. É isso que a contemporaneidade quer que defendamos. Logo, se meu paciente busca ajuda por não querer esta ou aquela orientação sexual, ele tem direito de tentar buscar a sua verdade e ninguém pode ir contra isso. Defender essa liberdade no setting terapêutico é ético. Não se pode induzir convicções de orientação sexual.”, completa.

A decisão, segundo o juiz federal Waldemar Cláudio de Carvalho, determina que o Conselho Federal de Psicologia não pode impedir que psicólogos pesquisem, se informem e até mesmo atendam pessoas que busquem uma reorientação sexual ou ajuda quanto à própria escolha e consequências na vida familiar, social e profissional, se o paciente assim desejar.

Em 1973, a Associação Americana de Psiquiatria retirou a homossexualidade da sua lista de transtornos. Em 1980, o Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM) seguiu também essa recomendação. Em 1990, a OMS, Organização Mundial de Saúde aboliu a homossexualidade da lista de doenças. A partir daí, a Classificação Internacional de Doenças (CID) fez pé firme, contra “qualquer tratamento psiquiátrico de ‘reparação’ ou ‘conversão'” de gays.

A polêmica instalou-se quando, em 2017, um grupo de psicólogos no Brasil recebeu permissão judicial para praticar “atendimentos profissionais, de forma reservada, pertinentes à (re) orientação sexual” (trecho da decisão do juiz Waldemar Cláudio de Carvalho). E a tal “cura gay”, foi duramente criticada, e bem mal interpretada.

Será que os intitulados defensores da “cura gay” acreditam que os psicólogos, se fossem autorizados, teriam a capacidade de mudar a orientação sexual de alguém? A resposta é lógica e veio pronta: mesmo querendo, os psicólogos não teriam como mudar a orientação sexual de ninguém. A orientação sexual, mistura de fatores biológicos, psicológicos e sociais, uma vez definida, não é passível de reversões.

Portanto, a liberação para o atendimento gay não é direcionada a reverter a escolha sexual que já foi definida e sim em orientação sexual: porque desejar alguém, seja ou não do sexo oposto, não é uma escolha do indivíduo. É uma intrincada determinação biopsicossocial que ocorre nos primeiros anos de vida.

A única coisa que, os profissionais da saúde mental, conseguem obter é que as pessoas consigam conviver melhor com seus próprios desejos, sejam eles quais forem, diminuindo, assim, o sofrimento dessa escolha, seja em caráter individual ou familiar.

Ninguém pode ser proibido de buscar ajuda profissional para questões emocionais, e nenhum profissional pode ser impedido de ajudar! E viva a liberdade de escolha!

Psicólogos podem sim ajudar homossexuais!

A consulta a um psicólogo não deve estar direcionada em reverter a escolha sexual e sim para dar uma orientação nesse sentido! (Foto: Internet)

0 COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
* O seu comentário passará por uma moderação antes de ser exibido no site.

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, sem autorizaçao escrita do 'Ponto Gay' ou do detentor do copyright. Os textos e as imagens (fotos, ví­deos, ilustrações, etc.) de todas as páginas do 'Ponto Gay' são protegidas pela LEI DO DIREITO AUTORAL, não sendo permitidas cópias ou divulgações por qualquer motivo ou justificativa, nem mesmo com autorização das(os) modelos. Infratores serão punidos na forma da lei.

 

Termos e condições de uso

Ao acessar o Ponto Gay o assinante / visitante tem ciência de que encontrará material adulto, incluindo vídeos, imagens e textos relacionados ao público adulto, conteúdo este inadequado para menores de 18 anos no Brasil.

Ao entrar e permanecer no Ponto Gay o assinante / visitante concorda com os seguintes termos:

  • É maior de 18 anos;
  • Não tem restrições para ver nu adulto, independentemente dos sexos envolvidos, e/ou do número de pessoas;
  • Não possui restrições para assistir a material relacionado a nudez, inclusive aquele que pode ser considerado ofensivo ou desagradável;
  • Não tem restrições para ver conteúdo com sexo explícito, independentemente dos sexos envolvidos, e/ou do número de pessoas;
  • Não possui restrições para assistir a material relacionado a conteúdo com sexo explícito, inclusive aquele que pode ser considerado ofensivo ou desagradável;
  • É o único responsável por suas ações;
  • Não permite que menores de 18 anos tenham acesso ao material adulto contido nas páginas (website) do Ponto Gay a partir de seu computador;
  • Se usar esse serviço para violar o disposto acima, compreende poderá ser responsabilizado por violar as leis aplicáveis e vigentes;
  • Que não responsabilizará os titulares do Ponto Gay pelo acesso ao material adulto contido nas páginas (website) do Ponto Gay.
  • Que a assinatura será renovada automaticamente para maior comodidade;
  • Que caso deseje cancelar a renovação, deve enviar email para [email protected] em até 3 dias antes do vencimento da assinatura.

Política de segurança e privacidade

Ponto Gay preocupa-se com a segurança e privacidade de seus assinantes / visitantes.

Para garantir isso, o Ponto Gay possui uma série de normas que todo assinante / visitante deve seguir.

Ponto Gay possui ainda compromissos que visam garantir a privacidade e segurança de seus assinantes / visitantes.

Compromissos que o Ponto Gay estabelece com seus assinantes / visitantes:

  • Não divulgar sem prévia autorização, em hipótese alguma, o e-mail do internauta que se cadastrar em páginas que requerem preenchimento de dados pessoais.
  • Não revelar sem prévia autorização, em hipótese alguma, o e-mail do internauta a outras empresas.
  • Não enviar mensagens ao correio eletrônico do internauta, sem que o mesmo tenha solicitado.
  • Possibilitar ao internauta o cancelamento, a qualquer momento, do envio de material informativo por e-mail solicitado anteriormente.
  • Preservar a identidade do internauta, mantendo sigilo enquanto o mesmo navega nas páginas do Ponto Gay.
  • Manter em absoluto sigilo o número do cartão de crédito e dados bancários do internauta.
  • Utilizar os cookies apenas para controle interno de audiência e de navegação e nunca para controlar preferências do internauta.
  • Garantir segurança e privacidade de identidade aos internautas que fazem cadastros de assinatura e de que os dados cadastrados como nome e número de cartão de crédito, serão protegidos por sistemas avançados de criptografia enquanto são enviados e mantidos em sigilo.

O que os assinantes / visitantes não devem fazer ao usar o Ponto Gay?

  • Qualquer uso com propósitos ilegais.
  • Transmitir ou divulgar ameaças, pornografia infantil, material racista ou qualquer outro que viole a legislação em vigor no país.
  • Transmitir tipos ou quantidades de dados que causem falhas em serviços ou equipamentos na rede do Ponto Gay.
  • Forjar endereços de máquinas, de rede ou de correio eletrônico, na tentativa de responsabilizar terceiros ou ocultar a identidade ou autoria.
  • Destruir ou corromper dados e informações de outros usuários.
  • Violar a privacidade de outros usuários.
  • Violar copyright ou direito autoral alheio reproduzindo material sem prévia autorização do Ponto Gay.

O que acontece a quem desobedece a uma dessas normas?

  • Pode receber advertências ou, até mesmo, ter o contrato de assinatura encerrado.
  • Se houver identificação de crimes previstos em lei, a conta do assinante é imediatamente cancelada, os dados são preservados e podem ser entregues às autoridades em caso de ordem judicial.

Dúvidas

Essa página visa esclarecer as dúvidas de quem deseja tornar-se assinante do website PONTOGAY.COM. Se você já é um assinante e possui alguma dúvida, por favor, entre em contato através do e-mail [email protected]

Dúvida 01.) Quais são as formas de pagamento que posso usar para me tornar assinante do website PONTOGAY.COM?
Você pode realizar o pagamento por cartão de crédito ou boleto bancário em qualquer dia da semana, inclusive aos domingos e feriados. Em qualquer hora do dia e da noite, você paga e já acessa a área de assinantes do website PONTOGAY.COM imediatamente!

Dúvida 02.) Como e em quanto tempo, eu recebo meus dados de acesso (nome de usuário e senha) para a área de assinantes do website PONTOGAY.COM?
O nome de usuário (que deve ser um e-mail válido) e a senha são escolhidos por você ao preencher o formulário de pagamento do website PONTOGAY.COM. Todos os seus dados são mantidos em sigilo absoluto e o acesso à área de assinantes do website PONTOGAY.COM é liberado imediatamente após o seu pagamento ser confirmado.

Dúvida 03.) Terei acesso a todo o conteúdo do website PONTOGAY.COM sem qualquer restrição?
Sim! Você terá acesso total ao conteúdo do website PONTOGAY.COM sem qualquer limite ou restrição! São mais de 500 horas de vídeos e desenhos incríveis, milhares de fotos e dezenas de histórias em quadrinhos exclusivas!

Dúvida 04.) Se eu optar por pagamento via cartão de crédito, o que aparecerá em minha fatura?
Em sua fatura de cartão de crédito aparecerá um nome bem discreto: "IDEALPAG". Garantimos total sigilo de seus dados.

Dúvida 05.) O website PONTOGAY.COM é livre de vírus?
Sim! O website PONTOGAY.COM é verificado e protegido pela empresa NORTON, líder mundial em segurança cibernética, e portanto 100% livre de vírus.

Dúvida 06.) Minha dúvida não se encontra respondida nessa página. O que faço agora?
Nesse caso, por favor, entre em contato com a equipe de suporte do website PONTOGAY.COM através do e-mail [email protected]

Contato

Em caso de dúvidas, sugestões, críticas e/ou cancelamento de assinatura, por favor, entre em contato com o suporte do website PONTOGAY.COM através do e-mail: [email protected]

Temos uma equipe bem preparada e pronta para atendê-lo em qualquer dia e hora da semana, inclusive aos domingos e feriados!

Antes de entrar em contato, sugerimos que acesse a página "Dúvidas", localizada no rodapé do website PONTOGAY.COM e verifique se a sua pergunta já não está respondida.

Garantimos resposta à sua solicitação em no máximo 12 horas!