Casais gays têm o direito de casar no civil

Realidade no Brasil desde 2013, cada vez mais os casais homoafetivos assumem relacionamentos e casam nos cartórios!

Adicionado em: 15/02/2018 Compartilhe no WhatsApp

A união entre duas pessoas do mesmo sexo, mais conhecida como união homoafetiva, teve seu reconhecimento legal somente no século XXI, mas, rapidamente, vem se espalhando por diversos países do mundo.

O primeiro a reconhecer o casamento homoafetivo foi a Holanda, em 2001, seguiu-se a Bélgica, em 2003, Canadá e Espanha, em 2005, África do Sul, em 2006, Noruega e Suécia, em 2009, Argentina, Islândia e Portugal, em 2010, Estados Unidos, em 2015, entre outros.

Em nosso país, a união homoafetiva tornou-se realidade em 2011, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) equiparou a união homossexual à heterossexual. Logo a seguir, em 2013, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por meio da “Resolução 175”, determinou que os cartórios brasileiros seriam obrigados a legalizar casamentos homoafetivos e, ainda, não poderiam se recusar a converter união estável gay em casamento.

Depois disso, houve uma verdadeira corrida para a oficialização de uniões gays. De acordo com a estatística, nas 27 unidades da Federação, 20 registraram aumento nos casamentos civis entre 2014 e 2015. No Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul, o crescimento foi acima de 10%, no Acre foi de 40%.

Em 28 de junho de 2011, pela primeira vez, no Brasil, um casal de homossexuais trocou alianças. A cerimônia, inédita, aconteceu às 10h30 no cartório de Registro Civil de Jacareí (SP), onde foi emitida e entregue a primeira certidão de casamento civil a um casal homossexual. O comerciante Luiz André Rezende Moresi, de 36 anos e o cabeleireiro José Sergio Sousa, de 29, foram declarados oficialmente casados e constituídos em uma nova família.

Em 2015, foram celebrados 5.614 casamentos oficiais entre a população LGBT, 0,5% do total de 1.137.321 de todos os casamentos. No Rio de Janeiro, num mesmo dia, foi celebrado casamento coletivo para 160 casais homoafetivos.  Segundo o coordenador do Programa Estadual Rio sem homofobia, Cláudio Nascimento: “O maior casamento entre pessoas do mesmo gênero do mundo!”.

Com a conquista do direito de se casar, os homossexuais passaram a usufruir de mecanismos legais que, desde 1916 (ano do primeiro Código Civil), eram exclusividade dos casais héteros. Os principais são a partilha de bens e herança de parte do patrimônio do cônjuge, em caso de morte, pensão e adoção de filhos, entre outros direitos, os mesmos de um casal hétero.

As pequenas diferenças legais entre a união estável e o casamento oficializado em cartório foram debatidas no STF, e os ministros decidiram pela equiparação, tanto para os casais homoafetivos quanto para os heterossexuais. Nada mais justo!

Pablo Sanches e Fábio Mendonça de Sá oficializaram a união em 2013, divertidos e bem-humorados, brincam muito com a situação: “Quando a gente fala que vai casar, as pessoas devem ficar se perguntando qual deles vai entrar de noiva?”.

Precisa ter muita convicção e coragem, afinal, você vai contra uma estrutura comportamental que se consolidou através de gerações. Homem casa com mulher e mulher casa com homem. “Acho que tem o peso da obrigação de ter que contar para os pais. Preocupação com o que o que a sociedade vai pensar. É como se, enquanto estou entre quatro paredes com meu parceiro, tudo bem. Mas, quando firma no cartório, todo mundo fica sabendo!”, disse Sanches.

Já outro casal, Hugo Pullen e Thiago Ribeiro, casou-se no civil em setembro de 2016 em Brasília. Para Pullen, o casamento civil contribui para a inclusão dos casais homoafetivos em um contexto que, até então, somente admitia casais entre homens e mulheres. “São coisas pequenas no dia a dia, mas que têm um significado muito importante!”.

Para Pullen, o casamento representa um passo “muito grande” tanto para os casais homoafetivos individualmente, como para o avanço dos direitos LGBTs. “Talvez por ser recente, as pessoas ainda estejam recebendo a ideia e a inserindo nos planos e sonhos pessoais. Na medida em que se quebram os tabus, as pessoas vão percebendo que isso é algo que vem para melhorar!”.

Para quem pretende oficializar a união, os documentos são os mesmos de um casamento heterossexual. Quando decidir dar entrada no processo de habilitação ao casamento civil, o casal deverá comparecer ao cartório mais próximo da residência de um dos noivos. E que sejam felizes para sempre!

Casais gays têm o direito de casar no civil

Em maio de 2013, o Conselho Nacional de Justiça publicou a “Resolução 175”, que passou a garantir aos casais homoafetivos o direito de se casarem no civil. (Foto: Internet)

0 COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
* O seu comentário passará por uma moderação antes de ser exibido no site.

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, sem autorizaçao escrita do 'Ponto Gay' ou do detentor do copyright. Os textos e as imagens (fotos, ví­deos, ilustrações, etc.) de todas as páginas do 'Ponto Gay' são protegidas pela LEI DO DIREITO AUTORAL, não sendo permitidas cópias ou divulgações por qualquer motivo ou justificativa, nem mesmo com autorização das(os) modelos. Infratores serão punidos na forma da lei.